quinta-feira, 25 de junho de 2009

Tempo

A inocência contida em tolos gestos
A rosa estendida
Rajadas de luzes
O perfume das flores
Jardim sem fim: as falas de amor

A moeda incessante, gira,gira, gira...
Olhares falantes dentro de mim
Só, escuto um grito
Uma alvorada de formigas tomam meus pés...avançam pelo meu corpo
Silêncio

A rosa estendida
O braço serrado
Vaso sem flor
Passos sem sincronia

Tempo, tempo, queima
E me leve pra bem longe

2 comentários:

Mill disse...

Linda Poesita hermanita

Beijo

Ananda disse...

Vejo tristeza e alegria...
Esperança e contentamento...
Os dois lados da moeda que gira...
Mas, gira mais rápido a mente da gente...
Lembrei agora, qd eramos criança, gire rápido... mas abra a boca, assim vc não fica tonta...
NAMASTÊ marida...