quinta-feira, 6 de maio de 2010

Psicodelia

A vida é uma caixa preta, dessas que findam submersas em oceanos, sem que consigamos desvendar seus mistérios. Mas em seu princípio, a vida - essa caixa-preta - é lançada contra uma chuva de parafusos. Ao ser perfurada, ela vai também sendo iluminada. Por isso, às vezes, dói sentir nossos corpos sendo moldados de forma tão aguda, somos rígidos demais em nossas caixas. Quanto mais forte a chuva, mais vida: nossos espaços vazios serão tomados por luzes que nunca se apagam, mesmo que nunca mais voltem.

8 comentários:

Georges disse...

assisti denovo "o segredo dos seus olhos" [ depois de ter assistido todos os filmes em cartaz, e faltar opção.. mas fiquei com vontade de assistir denovo esse filme depois das tuas palavras! uma pena eu não lembrar de todas, mas, o "nada" me pulou muito mais aos olhos nessa vez. ] você causou um grande impacto em duas pessoas aleatórias!. espero te trombar por aí, pra que me faça apreciar outras coisas que não olhei com cuidado de novo!.. só perfurando a caixa pra fazer com o que tentou passar por ela, passe.

beijo clau!.

Mill disse...

hermana

você me perfurou, me iluminou, mas antes de tudo parece que me anestesiou... Não lembro de sentir dor pelas iluminações que você me proporcionou...

Linda

Suzanna F. disse...

q lindo!

Anônimo disse...

Lembrei de um poema: "Da primeira vez que me assassinaram, do Mário Quintana..."
Muito legal! Se alguém quiser ler: http://fabricioromano.blogspot.com/2009/03/da-primeira-vez-que-me-assassinaram.html
Enfim, viva a luz sagrada dos vivos!
Se cuida! Adorocê!
Bjo!

Georges disse...

antes que esqueça!.

georgesboris@gmail.com

limao disse...

Sensacional!

Dani Brait disse...

loucos aqueles que se escondem debaixo das marquises... uma boa chuva lava a alma e prepara para um amanhã ensolarado!

Vanessa disse...

Curti!