quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Perfume

A vizinha, nunca a vi, mas sinto o perfume de sua comida. Ela e seus aromas são os maiores inimigos da minha independência, tenho vontade de correr pra casa dos meus pais. Esperar o bife na sala, e pensar, boba que só, que o chiado que vem da cozinha é chuva. Cebola refoga!
Perfume me faz lembrar da dona Ana - ela tinha uns 60 e eu uns 8 - uma senhora suave com seus vestidos florais e sapatilhas de pano nos pés, caminhava sem pressa, carregando uma sacola de feira cheia de frutas. Percorria a vila vendendo as delícias do seu sítio. A minha fruta preferida era a Laranja Lima, raramente tinha na sacola dela. Não à toa,representava muito espaço, peso e baixo custo. Para comprar minhas laranjas, tinha que acompanhá-la até sua casa, era sim lá no interior. A casa sempre fechada e muito escura. Ela pedia que eu esperasse e ia abrindo aos poucos as janelas e portas da sala em direção à cozinha, a casa cheirava a pomar: banana, abacaxi, laranja, manga. Laranja Lima! O idioma da dona Ana era o da dúzia: meia dúzia, uma duzia, duas dúzias. Eu dizia: quero quatro, dona Ana. Ela, meia dúzia, né fia? Eu concordava. Era sempre a mesma coisa, mostrava as laranjas e depois sumia pela casa adentro a procura de uma sacolinha, escutava ao longe o barulho do plástico e o arrastar das sandálias em atrito com o chão. É, a casa da dona Ana era como um perfume lacrado, quando ela abria a porta, no breu, sem saber ao certo onde estava, sem ver nada, meu olfato era aguçado de uma maneira que, sentia violentamente o buquê das frutas invadir o meu nariz.
Como os sentidos se completam, corria pra casa e pedia para meu pai descascar, ele fazia o chapeuzinho do vovô - é quando você não parte a laranja ao meio, só faz uma tampinha bem pequena. Infalível, sempre doces as Laranjas Limas.
Há alguns dias uma fragrância me acompanha, não vem da vizinha, nem de algum pomar longínquo. É a essência de uma pessoa, seu perfume: essa junção de elementos que o tornam único. Maior que minha curiosidade, só o meu medo. Sem pulmão para respirar fundo, inalei paulatinamente o moço. Temi a embriaguês. Mas como um sentindo leva ao outro, ainda sinto seu gosto na minha boca.
Há quem diga que, quando se vive o mágico, leva-se seus fragmentos por toda a vida. Assim como dona Ana que vendias as frutas, mas retinha em sua casa o perfume. Guardo as essencias que a vida me dá no silêncio da minha memória, e, aos poucos - diante da visita - vou abrindo as janelas da minha alma.
*****
Convite para um Baile Perfumado

6 comentários:

Vanessa disse...

Amei! Ultimamente tem um perfume que não sai da minha cabeça! Ainda bem que ele vem sempre me visitar! rsrs

Até a Festa!!!!!!!

bjs

Mill disse...

caralho

vamos ter que começar com a tal da rasgação de seda...

Como conseguir traduzir tão bem as sensações em palavras

Parabens hermana querida

E que venham os odores festivos

um beijo querida

Johnny disse...

Ótimo texto como sempre Clau.

Estou negociando o alvará para a festa.

Beijos

korsaco disse...

Estou viciado em seu blog. Sempre sinto o cheiro de terra molhada quando passo por aqui. Além da poesia que os seus textos têm, eles sempre estimulam a minha imaginação, o meu olfato, o minha audição, enfim, os meus sentidos.
Imagens deliciosas acabaram de passar por mim. Vou correndo para a cozinha. E não é que tem uma única laranja me esperando. Ah, não tenha dúvida, me entregarei a ela com a mesma intensidade que elaranja se entregará a mim.
Adorei sentir o gosto, ou melhor, adorei materializar, de alguma maneira, o "perfume" que eu acabei de ler.
Um beijo imenso.
André Luís Omote

fabiana disse...

Que delícia ter conhecido a Dona Ana . Embora eu tenha as mesmas lembranças jamais saberia expressa-las (ainda com hífen?)de uma forma tão delicada e tão fiel.
Por alguns momentos estive novamente na casa da D.Ana com toda a sua simplicidade e magia.
Será por isso que os perfumes me encantam até hoje.(Tenho medo dos perfumes filosóficos mas a curiosidade é bem maior que o medo kkkkkkkkkkkk) Bjos tata te amo!!!!

Anônimo disse...

Conheci primeiros suas palavras... depois confirmei a delicadeza nos gestos...
Você é encantadora menina...
sorrisos...
e olhos...
menina mesmo!

Beijo grande
Célia